Toxina Botulínica em forma cosmética

A aplicação de toxina botulínica tipo A ou proteína botulínica de fins estéticos é utilizada na biomedicina para reduzir a movimentação de certos grupos musculares da face, responsáveis pela formação de rugas de expressão, como as rugas finas ao redor dos olhos e bocas e rugas da testa. Também é utilizada para o tratamento da hiperhidrose (sudorese em axilas, mãos e pés).

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – SBCP[1]:

“(…) a FORMA COSMÉTICA da toxina botulínica é uma INJEÇÃO NÃO CIRÚRGICA que temporariamente reduz ou elimina linhas de expressão, rugas na testa, pés de galinha perto dos olhos e bandas grossas no pescoço”. (grifo nosso)

Toxinas Botulínicas são exotoxinas (neurotoxinas) produzidas pelo Clostridium Botulinum, bactéria gram positiva, anaeróbia e esporulada encontrada nos intestinos de animais silvestres e domésticos.

A partir de 1990, a Toxina Botulínica tornou-se conhecida pelo seu isolamento e uso cosmético. Depois do uso inicial em outras áreas da Medicina, proporcionou-se um encontro de outras aplicações. Atualmente, a Toxina Botulínica é usada na estética para o tratamento de casos como os designados “pés de galinha”, assimetrias faciais, elevação ou modelação da sobrancelha, rugas de expressão da testa, vindo a adquirir uma evolução cada vez mais acentuada na área estética.

A aplicação é realizada por meio de pequenas injeções nos músculos superficiais da face localizados a poucos milímetros abaixo da derme.

Os conhecimentos de anatomia vistos pelos Biomédicos durante a Graduação e Pós Graduação possibilitam a localização destes músculos, fato este que combinado a prática de injeções obtidas nas disciplinas que ensinam a prática de aplicações de injeções superficiais – como exemplo a que é usada no teste cutâneo para a tuberculose, também denominado prova da tuberculina, prova de Mantoux ou teste de PPD – leva a capacitação e conhecimento necessário para a aplicação de tal procedimento.

Durante o procedimento, o profissional esteta faz uma relação dos músculos com as rugas faciais, o que permite a escolha de qual músculo deve aplicar, harmonizando a face com consequentes benefícios a auto-estima e bem estar do cliente. O número de aplicações é dependente de vários fatores, incluindo as características faciais pessoais e a extensão das rugas.

Além de ser considerado seguro e eficaz (Kerner J. C. Vergifting Durch Verdorbene Wurste, Tubinger Blatter Naturwiss Arz 1817;1-45), não necessita de tempo de repouso ou recuperação. Não há relatos de ocorrência de efeitos adversos letais, tendo sido seguidas as regras de preparação.

As pequenas complicações são raras, reversíveis, passageiras e técnico dependentes, exemplos: ptose palpebral (queda da pálpebra), leve náusea, edema, hematoma local, cefaléia (Sadick NS. Overview of complications of non cirurgical facial rejuvenation procedures. Clin Plast Surg 2001; 1: 109-20).

Como se pode perceber, os próprios Médicos Cirurgiões Plásticos afirmam a inexistência de riscos relevantes neste procedimento.

[1] Acesso em http://www2.cirurgiaplastica.org.br/cirurgias-e-procedimentos/minimamente-invasivos/toxina-botulinica/ – Acesso em 18/10/16.

0